A Alma Imoral, de Nilton Bonder


Sempre fomos livres nas profundezas 
de nosso coração, totalmente livres,
homens e mulheres.
Fomos escravos no mundo externo, 
mas homens e mulheres livres em nossa alma e espírito.
Maharal de Praga (1525-1609)

Todos os grandes avanços no campo do pensamento do homem sobre si mesmo serão sempre dessa ordem: falar distintamente sobre o já sabido. (10)

Transgredir é transcender, e nossa história não teria mártires no campo político, científico, religioso, cultural e artístico caso fosse possível transcender sem colocar em risco a sobrevivência da espécie. (18)

Afirma-se no Tratado de Menachot (p. 99a) em nome do Rabi Shimon ben Lakish: "A preservação da lei é, em várias ocasiões, obtida através do rompimento da lei e da ab-rogação da mesma." (24)

A opinião pública, os dogmas, as convenções, a moralidade e as tradições podem muitas vezes querer representar uma "unanimidade" que os desqualifica como determinadores do que é justo, saudável ou construtivo. (25)

Surpreender-se é, na realidade, a maior prova de poder de um ser humano. Surpreender os outros é fazer uso de nossos truques já dominados; surpreender a si mesmo é ser um mago diante daquele que nos julgávamos ser. (46)

O rabi Ioshua, filho de rabi Hanbina, disse:
"Certa vez uma criança arrebatou o melhor de mim. Eu viajava e me encontrava diante de uma encruzilhada. Vi então um menino e lhe perguntei qual seria o caminho para a cidade. Ele respondeu: 'Este é o caminho curto e longo e este o longo e curto.' Tomei o curto e longo e logo deparei com obstáculos intransponíveis de jardins e pomares. Ao retornar, reclamei: 'Meu filho, você não me disse que era o caminho curto?' O menino então respondeu: 'Porém, lhe disse que era longo!'" (56)

Aquele que não faz uso de todo o potencial de sua vida, de alguma maneira diminui o potencial de todos os demais. (82)

Quando, em pleno século XX, um judeu criou o personagem de história em quadrinho Super-Homem, desejava fazer uma leitura simbólica de seu mundo, muito marcado pela metáfora judaica. Apesar da destruição do mundo dos judeus - Europa/Kripton -, sobrevive no novo mundo aquele que será o redentor da semente, "O outro", o filho que não é filho, cai no seio de uma típica família americana, mas mesmo assim resgatará a sementes. Esse marginal redentor de sua espécie é, na aparência, o frágil Clark Kent; em seu íntimo, porém, habita o supra-humano - o mutante. O sobrevivente é o mutante que se fez diferente e mais poderoso, pois para sobreviver teve de necessariamente salvar seu corpo, mas sobretudo, foi obrigado a rever "corretos" e "bons". Em Kripton, o super-homem é um comum. Ao sobreviver, atravessando de uma margem a outra, de um planeta a outro, descobre que tem diversos poderes. (97)

Livros Adquiridos - Setembro 2014


14 livros = -R$ 401,88

131. os luminares - eleanor catton - globo - r$ 17,45 - www.amazon.com.br (vendido)
132. os luminares - eleanor catton - globo - r$ 17,45 - www.amazon.com.br
133. os luminares - eleanor catton - globo - r$ 17,45 - www.amazon.com.br
134. os luminares - eleanor catton - globo - r$ 17,45 - www.amazon.com.br
135. obras completas vol II - jorge luis borges - globo - troca - www.skoob.com.br (vendido)
136. hagakure - yamamoto tsunetomo - conrad - r$ 21,84 - www.estantevirtual.com.br
137. a arte de viajar - alain de botton - intrinseca - r$ 7,96 - www.submarino.com.br
138. religião para ateus - alain de botton - intrinseca - r$ 7,96 - www.submarino.com.br
139. como proust pode mudar a sua vida - alain de botton - intrinseca - r$ 7,96 - www.submarino.com.br
140. ofício da palavra - josé eduardo gonçalves (org.) - autêntica - r$ 11,96 - www.submarino.com.br
141. memória da pedra - maurício lyrio - companhia das letras - r$ 14,40 - www.submarino.com.br
142. alta fidelidade - nick hornby - companhia das letras - troca - www.skoob.com.br (lido)
143. humano, demasiado humano - friedrich nietzsche - companhia das letras - troca - www.skoob.com.br (vendido)
144. os livros de bachman - stephen king - francisco alves - r$ 260,00 - www.estantevirtual.com.br

Obra Completa: Martin Page

O que me atrai na literatura francesa contemporânea é o frescor de originalidade dos autores, bem como o uso de metáforas das mais improváveis. Dentre os escritores que eu lembraria, Martin Page estaria nos Top Five, desde que conheci a sua obra em 2009. Basta verificar pelos trechos de livros dele que já citei no blogue, clicando nos links na lista de obras lidas abaixo, para conhecer um pouco das principais características de sua obra.

O AUTOR

[Revista ÉPOCA ON] Martin Page, 32 anos, é um dos autores franceses da nova geração mais traduzidos para países estrangeiros. O sucesso se deve ao best-seller Como me Tornei Estúpido (Rocco), a história de um jovem que acha que sua inteligência atrapalha a vida. E resolve se tornar um idiota. [/Revista ÉPOCA OFF]

OBRAS LIDAS
  1. A Libélula dos seus Oito Anos (Rocco, 2010)
  2. Talvez uma História de Amor (Rocco, 2009)
  3. A Gente se Acostuma com o Fim do Mundo (Rocco, 2007)
  4. Como me Tornei Estúpido (Rocco, 2004)
Veja também as obras completas de outros escritores que já li ou estou lendo:

Livros Lidos - Setembro 2014


3 livros = 976 páginas

56. o porco filósofo (2005) - julian baggini - relume dumará - 304 pgs - excelente
57. sandman 9: entes queridos (1994-1995) - neil gaiman - conrad - 360 pgs - excelente [HQ] (releitura)
58. alta fidelidade (1995) - nick hornby - companhia das letras - 312 pgs - muito bom

Bestiário, de Julio Cortázar


Pode-se viver sem pensar. (14)

Os costumes são formas concretas de ritmo, são a dose de ritmo que nos ajuda a viver. (21)

Palíndromos. Os fáceis, a grama é amarga; Eva, asse essa ave; os mais difíceis e belos, a base desatola calotas e desaba. (32)

Porque ou você se casa ou escreve um diário, as duas coisas não funcionam juntas. (40)


Vida sem Ela

Era o fim do mundo. O apocalipse. O Ragnarok. A volta de Shiva Destruidor. Enfim, acho que já deu pra entender. Basicamente era a mais completa e definitiva extinção do Universo chamado Joe. Como poderia haver Joe sem Mia? Se ele agora descobria que ela tinha uma doença terminal, obrigatoriamente ele também a teria. Era impossível ser saudável sem ela. Ser feliz sem ela. Ser ele sem ela. A mera suposição que isto viesse a acontecer ofendia a um dos aos axiomas mais sólidos já criados pela racionalidade humana. Os dois eram uma soma cujo resultado sempre daria um um inteiro. Não é o caso de Joe sempre ter sido assim, sentimental, dependente, carente. Foi Mia quem despertou o seu potencial para ser o Joe da Mia. Por isso que, olhando a figura  pálida dentro do jaleco parada à sua frente, falando coisas que ele não conseguia ouvir, Joe só podia pensar que tudo aquilo não passava de uma piada vulgar e sem graça. Doença fatal e Mia nunca deveriam aparecer na mesma sentença. Ok, tudo bem ele ainda estar no vigor dos trinta e dois anos e ela ter mais que o dobro disso. Quase o triplo. Mas ela era o centro do seu mundinho chato. Era o seu ponto de desequilíbrio. Era a parte vida louca da vida nada louca de Joe. Ao olhar fundo aqueles fundos olhos de corvo mensageiro, segurando o choro que ameaçava transbordar a qualquer instante, soube que teriam apenas mais seis meses juntos. Cento e oitenta dias. Quatro mil trezentas e vinte horas. Apesar de qualquer tempo ser pouco para se passar com quem se ama, quando se fixa um número os momentos que poderiam ser bons tornam-se um tic-tac angustiante, sufocante, deprimente. Mas ele precisava ser forte. Por Mia. Quando a trouxeram, ela estava tão feliz, tão radiante que dissiparia qualquer nuvem escura no céu. Joe teria de fazer o objetivo de sua vida transformar os últimos dias de Mia nos melhores. A mimaria em excesso, faria todas as suas vontades e satisfaria todos os seus desejos. Assim, como recompensa, guardaria as recordações mais preciosas dela. Talvez o fim do mundo pudesse ser encarado com serenidade, afinal, pensou Joe ao sair da clínica puxando a companheira pela coleira.


30 de Setembro - Dia Internacional do Tradutor


Livros Adquiridos - Agosto 2014

15 livros = -R$ 179,10

116. contos de horror do século xix - alberto manguel - cia das letras - troca - www.skoob.com.br (vendido)
117. o zohar - ariel bension - polar editorial - r$ 19,80 - www.skoob.com.br
118. o ponto de mutação - fritjof capra - cultrix - r$ 9,90 - www.skoob.com.br
119. bestiário - julio cortázar - civilização brasileira - r$ 9,90 - www.skoob.com.br
120. tripulação de esqueletos - stephen king - suma de letras - presente de amiga
121. o livro da mitologia - thomas bulfinch - martin claret - r$ 10,60 - www.fnac.com.br
122. o livro da mitologia - thomas bulfinch - martin claret - r$ 10,60 - www.fnac.com.br
123. os irmãos karamázov - fiódor dostoiévski - martin claret - r$ 10,60 - www.fnac.com.br (vendido)
124. os irmãos karamázov - fiódor dostoiévski - martin claret - r$ 10,60 - www.fnac.com.br
125. crime e castigo - fiódor dostoiévski - martin claret - r$ 10,60 - www.fnac.com.br
126. crime e castigo - fiódor dostoiévski - martin claret - r$ 10,60 - www.fnac.com.br
127. a busca onírica por kadath - h. p. lovecraft - hedra - r$ 22,80 - www.hedra.com.br
128. o horror de dunwich - h. p. lovecraft - hedra - r$ 21,60 - www.hedra.com.br
129. a sombra vinda do tempo - h. p. lovecraft - hedra - r$ 21,60 - www.hedra.com.br
130. a torre negra 1: o pistoleiro - stephen king - suma de letras - r$ 9,90 - www.skoob.com.br (vendido)

Sandman: Entes Queridos, de Neil Gaiman


Sempre foi prerrogativa das crianças e dos estúpidos indicar que o imperador está nu. Mas o estúpido permanece estúpido e o imperador continua imperador. (120)

20 - referência à mitologia grega (perseu e medusa). as górgonas são três irmãs (medusa, a dominadora; euríale, a errante e esteno, a violenta) que simbolizam os inimigos interiores que devemos evitar. são deformações monstruosas da psique nascidas do desvirtuar de três pulsões humanas: sociabilidade (esteno), sexualidade (euríale) e espiritualidade (medusa). como a perversão espiritual prevalece sobre as outras, medusa é conhecida como rainha das górgonas. (456)

As Relações Perigosas, de Choderlos de Laclos


Poderá haver prazer com as pudicas? E refiro-me às de boa-fé: reservadas até no próprio prazer, não vos oferecem senão meios gozos. Esse inteiro abandono de si mesmo, esse delírio da volúpia em que o prazer se apura pelo excesso, esses bens do amor não o conhecem elas. (Carta IV)

A humanidade não é perfeita em nenhum gênero, tanto no mal quanto no bem. O celerado tem suas virtudes, como o homem de bem tem suas fraquezas. (Carta XXXII)

Se os primeiros amores parecem em geral os mais honestos e, como dizem, os mais puros, se são, pelo menos, mais lentos em sua marcha, não se trata, como se pensa de delicadeza ou timidez: é porque o coração, espantado com um sentimento desconhecido, pára, por assim dizer, a cada passo, para gozar o encanto que experimenta, e que esse encanto é tão forte num coração novo que o ocupa a ponto de fazê-lo esquecer qualquer outro prazer. (Carta LVII)